O A AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA ONLINE NO PODER JUDICIÁRIO COMO PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

  • Carlos Renato Nakamura Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP

Resumo

Com o advento do isolamento social como estratégia de contenção do coronavírus de 2019, o Poder Judiciário no Brasil adotou o regime de teletrabalho como forma de adaptar a prestação jurisdicional às exigências advindas do cenário pandêmico. Para psicólogos que atuam nesse campo, contudo, esse contexto revelou formas pelas quais a instituição compreende seu trabalho, em termos de instrumentalidade e produtividade. O
presente estudo objetivou desenvolver reflexões sobre o rebatimento da crise sanitária da COVID-19 sobre a avaliação psicológica no contexto judiciário. Para tanto, foi empreendido um levantamento de notas orientativas e técnicas de instituições da Psicologia sobre avaliações psicológicas por meio de tecnologias digitais da informação e da comunicação no contexto pandêmico e documentos oficiais sobre sua implantação no espaço institucional do Tribunal de Justiça de São Paulo. O material foi analisado à luz da Sociologia do Trabalho. Os resultados permitem observar que a avaliação psicológica online toca a questões técnicas, éticas e legais específicas, oportunizadas e/ou acentuadas pelo campo jurídico. Conclui-se que a ingerência da instituição sobre a dimensão metodológica da atividade profissional pode ser uma forma de precarização do trabalho das equipes técnicas de Psicologia na interface com a Justiça.

Publicado
2021-02-18
Como Citar
NAKAMURA, Carlos Renato. O A AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA ONLINE NO PODER JUDICIÁRIO COMO PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO. Revista da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 117-140, fev. 2021. ISSN 2674-9122. Disponível em: <//ojs.defensoria.sp.def.br/index.php/RDPSP/article/view/55>. Acesso em: 17 jun. 2021.
Seção
Dossiê temático